quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Tempo

O tempo é o movimento sem retorno
É o passo sem hesitação
O instante sem memória
A eterna reticência
De um juramento sem promessa

O meio que não caminha para o fim
E que por seu brio não retorna
Faz-se ilusão de infinito
Em plena paz do seu próprio limbo
Um finito pai de si mesmo
Caminhando na eternidade do desconhecido

É o tempo o deus mais destemido!



Vitor "Bardo" Ventura

Nenhum comentário:

Postar um comentário